Galeria

Patagônia Argentina … El Calafate

“Viajar é trocar a roupa da alma…” 

                                                                                                                                                     (Mário Quintana)

 Patagônia

Diz a lenda que em 1520, quando Fernão de Magalhães chegou naquela terra, se deparou com pegadas de gigantes, daí a origem do nome Patagônia, derivado da palavra “patagones” que significa pé grande. Na verdade os aborígenes cobriam os pés com peles de animais para proteção contra o frio, tornando-os aparentemente enormes.

De acordo com a Wikipédia, a Patagônia está localizada na Argentina e no Chile e é a região mais ao sul da Cordilheira dos Andes. É uma região cortada por ventos durante todo o ano e de lá saem as expedições para a Antártida. A melhor época do ano para conhecer é no verão, de novembro a março.

Além disto é um dos lugares mais belos e incríveis pra se conhecer na vida! De uma beleza rústica, cheia de contrastes. Inóspita num primeiro momento, aconchegante depois que se conhece.

Tem um boa infraestrutura turística, bons hotéis, bons restaurantes, boa comida, gente simpática e acolhedora e parques naturais muito bem preservados.

El Calafate….

Nossa aventura aconteceu no carnaval de 2011. De Buenos Aires voamos para a cidade de El Calafate, na Patagônia Argentina, via a Austral Líneas Aéreas (www.austral.com.ar). Foram 03 horas de viagem num avião pequeno, barulhento e meio velho.

A primeira vista foi um misto de paisagem árida, selvagem, terra seca e ao fundo, um lago de um azul magnifico. Fizemos nosso check-in no hotel e fomos conhecer a pequena e pitoresca cidade de El Calafate, com suas casas coloridas, cafés que convidavam a um chocolate quente (vale confirmar o tamanho da xícara, pode vir bem maior do que você esperava), pessoas amáveis e um friozinho bem gostoso!

Chegada em El Calafate 2

Compramos os passeios que queríamos fazer numa empresa de turismo local, a Rumbo Sur (www.rumbosur.com.ar, localizada na Rua 9 de Julio 81, local 2, fone (02901) 421139, email: rumbosur@cotecal.com.ar.

Estância 25 de Mayo….

Aproveitamos a tarde para visitar a Estância 25 de Mayo, onde fomos recebidos com mate, tipo chimarrão e torta salgada. Apreciamos a tosquia de ovelhas, degustamos vinhos locais, caminhamos nas proximidades do Arroyo Calafate (rio de águas cristalinas). Ao cair da noite, tomamos café à moda dos peões dos Pampas, feito com brasa dentro do bule, sentados ao redor da fogueira para espantar o frio que teimava em atravessar o tecido dos casacos. Ali ouvimos estórias dos gaúchos dos Pampas Argentinos da época que desbravaram a região patagônica e nos apresentamos uns aos outros. Finalizamos o passeio com um jantar muito bom, com o prato principal sendo cordeiro patagônico assado estilo fogo de chão, churrasco típico e diversos outros pratos deliciosos. Além de uma apresentação de dança folclórica. Foi muuuito legal!

Um Passeio pelo Glaciar Perito Moreno…

No dia seguinte, bem cedinho, fomos ao encontro do Glaciar Perito Moreno, situado a 80 km de El Calafate, no Parque Nacional Los Glaciares, medindo em torno de 5 km de frente e 60 metros de altura sobre o nível das águas do Braço Sul do Lago Argentino. De acordo com o guia do passeio, é considerado o glaciar eterno, pois se renova sempre. À medida que vai degelando na sua parte sul, a neve que desce dos Andes vai se juntando a sua formação, mantendo o seu tamanho. O roteiro iniciou pelas zonas das passarelas, que nos permitiu apreciar a geleira de vários ângulos e pudemos assistir e ouvir pedaços do glaciar se desprendendo e caindo na água.  O barulho era algo como um estrondo ou um trovão bem alto. A beleza do local era estonteante, não tem como descrever. O gelo tinha a cor azul anil, mais claro que o azul do céu e se refletia nas águas do lago.

Queda de gelo do Glaciar Perito Moreno

O som do gelo se desprendendo do bloco e caindo na água era um forte estrondo como um som de um trovão

Dali, fomos em direção ao Embarcadouro Bajo de Las Sombras, onde pegaríamos um catamarã para irmos até a parede sul da geleira para um minitrekking sobre o gelo.

Após desembarcarmos, caminhamos por uns 30 minutos até o glaciar, colocamos grampões nos sapatos (sapatos de preferência de cano alto para proteção do tornozelo). Uma das regras principais, além de não nos separarmos do grupo, era não tirar as luvas.

Mas não resisti, precisava sentir o toque daquela imensidão de gelo. E não deu outra, me desequilibrei e cai com a palma da mão no gelo, o que causou alguns arranhões. Me senti meio idiota, mas valeu a pena!

pedaço gelo na mão

Estar no meio de todo aquele gelo era algo meio mágico! Haviam grandes grotas no chão que tinham cor azul, além de abismos e pirambeiras brancas e boa parte do gelo tinha marcas de terra suja, como se fossem estrias.

No fim do passeio, fomos surpreendidos com uma dose de whisky com gelo centenário puríssimo. Demais!!!

Brinde com gelo puro de mais de cem anos

A viagem de volta no catamarã foi marcada pela paisagem maravilhosa e muito, mas muito vento gelado!

paredão de gelo2

Na manhã seguinte foi a vez de fazermos um passeio de jipe para visualizarmos a região lá de cima das montanhas da patagônia, com uma parada pra almoço numa estância próxima.

Uma van nos buscou no hotel bem cedo e nos levou ao ponto de encontro, onde o jipe nos aguardava. O legal é que todos os horários combinados na empresa de turismo funcionaram perfeitamente.

passeio de jeep

Percorremos a parte montanhosa da região e nos deparamos com vários animais, inclusive um tipo de cervo patagônico e um tipo de lebre.

cervos 2

cervos
O azul do céu nestas fotos não é montagem, é a cor do céu mesmo!

lebre

Na parte mais alta, o vento era gelado e muito forte e a vegetação seca naquela época do ano, contrastava com o azul do céu.

Almoçamos numa bonita e charmosa fazenda, uma comida caseira regada à vinho, com sobremesas deliciosas, incluindo doce do fruto que deu nome à cidade, calafate.

estância

E assim se passaram 03  deliciosos dias na pequena cidade de El Calafate.

O hotel que ficamos hospedados em El Calafate chamava-se Terrazas del Calafate na Calle de Los Alamos 2709, 9405, Santa Cruz. Telefone  +54 11 4629-9711  www.terrazasdelcalafate.com.ar.

De lá, seguimos viagem para Ushuaya, a cidade mais austral do globo! Mas este é um assunto para o próximo post, ok?

 

Anúncios

3 comentários em “Patagônia Argentina … El Calafate

  1. Oi Cássia, hoje comecei a visitar seu blog. Adorei! Também sou viciada em viagens. As vezes me falta companhia mas também tenho viajado sozinha. Podemos formar um grupo de viajantes e organizar alguma saída. Que acha? Parabéns!!!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s